Absorventes | Mulheres do PT aprovam leis em quatro capitais e fazem campanha solidária

Além de Marília Arraes no Congresso, vereadoras do PT de quatro capitais também aprovaram leis de dignidade menstrual. PT Solidário se mobiliza para ações emergenciais
2021-10-14 14:15:05
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Neste  mês, a deputada federal Marília Arraes, PT-PE, aprovou no Congresso a primeira legislação da história do país no combate à pobreza menstrual. Apesar do veto de Bolsonaro, a mobilização ampla realizada pelas mulheres do PT em conjunto com a sociedade civil fez com que o presidente recuasse.

Além de Marília, as vereadoras do PT já conseguiram aprovar legislações semelhantes em quatro capitais brasileiras:, Larissa Gaspar, Fortaleza-CE; Edna Sampaio, Cuiabá-MT; Elsuila Calisto, Teresina-PI; e Camila Jara, Campo Grande-MS. Com projeto em andamento, estão as vereadoras  Juliana Cardoso (São Paulo-SP), Karla Coser (Vitória-ES) e Carla Ayres (Florianópolis-SC).

A deputada distrital Arlete Sampaio (PT/DF) e a deputada estadual Leninnha (PT-MG) também aprovaram medidas semelhantes. Na Bahia, o governador Rui Costa assinou um decreto que já está em vigor em todo estado. No Ceará, o governador Camilo Santana também garante o cumprimento de uma lei que beneficia as pessoas que menstruam.

“O PT está se mobilizando no combate à pobreza menstrual em diversas frentes, desde o ano passado. Isso demonstra a importância de eleger mulheres que legislem em defesa das trabalhadoras e das mais vulneráveis”, apontou Anne Moura, secretária nacional de mulheres do PT.

Além da atuação na elaboração de políticas públicas, o PT também se organiza em ações de solidariedade às mulheres de baixa renda. Nos diretórios municipais e estaduais, a militância se organiza para receber e distribuir absorventes para pessoas em situação de vulnerabilidade.

“As mulheres precisam de condições de higiene íntima para que não se arrisquem a ter uma infecção, por exemplo. O fluxo vem e não espera. Por isso, além da garantia de direitos e do papel do Estado, as ações imediatas de solidariedade também são importantes”, reforçou Anne.   

Da Redação, Elas Por Elas